Make your own free website on Tripod.com

REGENERAÇÃO BATISMAL:UM OUTRO EVANGELHO PREGADO PELAS SEITAS


"Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado."
Assim escreveu o apóstolo Pedro para os primeiros cristãos (I Pedro 1:18-19). Ele, como todos os outros apóstolos, cria que somos redimidos, limpos, e perdoados, pelo sangue de Jesus Cristo. Mas há muitos hoje que substituem o sangue de Cristo pela água do batismo. Ensinam que nós somos regenerados, vivificados, limpos, e purificados através do batismo nas águas. Não podemos aceitar esta doutrina porque anula o trabalho salvífico de Cristo. Perceba que se a obra de Cristo foi completa e eficaz para nos salvar, não podemos adicionar a ela o batismo nas águas.
As seitas afirmam que crêem na obra de Cristo, no entanto apregoam que é necessário ser batizado para ser regenerado, isso é extremamente incoerente. Ou o trabalho de Cristo foi suficiente, ou não foi. Afirmamos que acreditar na regeneração batismal não é um erro de proporções secundárias, mas um erro muito sério e fundamental. Admitir a regeneração batismal é compactuar com o paganismo, e se posicionar contra a mensagem genuína do evangelho, por isso todos aqueles que assumem essa doutrina herege não são cristãos.
Seitas, como por exemplo: Mórmons, Igreja de Cristo Internacional, Congregação Cristã no Brasil, "A Igreja de Cristo do Missouri"(Dennis Allan e Gary Fisher)", Católica Romana, e outras, tem contribuído para a propagação dessa terrível heresia. Algumas delas, procuram encontrar apoio para esse engano na Bíblia, ainda que tenham que torcer o verdadeiro sentido das passagens bíblicas.Neste artigo, além de apresentarmos os fatos bíblicos sobre o batismo, também responderemos brevemente a esses textos que são torcidos.

Batismo e a questão do pecado
Por trás da idéia de que o homem é regenerado pelas águas do batismo está a rejeição do ensino bíblico sobre o pecado, especialmente a verdade de que o pecado escraviza o homem, debilita-o, trazendo morte espiritual.
Certa vez o Senhor Jesus disse para os judeus:"Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará."(João 8:31-32) Os judeus então disseram: "Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu:Sereis livres?"(8:33) Ao que Jesus respondeu: "Em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado."(8:34)
O homem preso ao pecado deve ser livre da escravidão do pecado. Ele não pode ser livre por si mesmo, mas deve ser liberto pelo Senhor.Essa verdade é muito ofensiva para o homem caído que reage até mesmo com brutalidade(8:41,48). O homem não gosta de ouvir que é totalmente dependente da graça de Deus para sua salvação, e não quer saber que é incapaz de salvar a si próprio. Mas o Senhor deixou claro que somos escravos do pecado e devemos ser livres dessa terrível escravidão.

A Descrição de Paulo
Paulo descreve a condição do homem perdido como morto em ofensas e pecados (Efésios 2:1). Como um morto pode ser vivificado? Somente pela ação de Deus por meio de Cristo. Em Colossenses Paulo declarou que "quando estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas" (2:13)
A morte trouxe terríveis danos para a humanidade, de tal maneira que :"não há ninguém que entenda, não há ninguém que busque a Deus"(Romanos 3:11), isso significa que a menos que Deus aja nesse homem arruinado, para que este deixe de ser "carnal e natural" e se torne "espiritual", não há esperança! O homem sem a ação do Espírito não aceita as coisas de Deus, porque para ele são loucura, e elas se discernem espiritualmente.Por estar separado de Deus, é inimigo até mesmo nos pensamentos(I Co 2:14;Col 1:21). Estas são palavras fortes, que descrevem bem o ódio e inimizade que existe no coração humano que continua vivendo na rebelião contra Deus. Temos então uma convicção absoluta da parte de Paulo que esta condição não pode ser mudada pelo homem, mesmo porque não é esse o desejo do homem natural. Em Romanos 8:5-8 lemos: "Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus."

O homem natural e o batismo
Os que crêem na regeneração batismal acreditam que o homem natural e carnal passa a ser um homem espiritual por meio do batismo.Mas de onde vem o desejo de ser batizado? Deus se agrada quando alguém é batizado? De acordo com a descrição de Paulo, os que estão na carne não podem agradar a Deus. Se tal pessoa é inimiga de Deus, escravizada pelo pecado, como é que ela é capaz de fazer tal obra agradável que é o batismo? Obviamente isso é impossível. O batismo simboliza a morte do nosso antigo modo de vida e a ressurreição para a nova vida em Cristo. A menos que morrêssemos para o pecado e ressuscitássemos com Cristo antes do batismo, o símbolo ficaria totalmente sem sentido. Assim podemos ver claramente que o ensino de que o batismo como meio de regeneração e perdão ignora os ensinos básicos relativo a condição perdida e corrupta do homem.
Resumindo: O homem está morto espiritualmente, somente Deus pode salvá-lo. Após a salvação, então, o homem tem condição de se batizar.

Anulando a graça de Deus através do ensino do batismo salvífico

"Mas se é por graça, já não é pelas obras: de outra maneira, a graça já não é graça." Romanos 11:6
O ensino de que o batismo regenera o pecador anula completamente a graça de Deus.Pregar essa heresia é querer tentar fazer o homem capaz de coisas que não é, deixando de lado a graça de Deus. Isso destrói o sentido da graça, e faz com que a morte de Cristo seja uma mera teoria que depende do ato humano de obediência,substituindo o trabalho eficaz e completo de Jesus que a Bíblia ensina(Hebreus 10:10-14).Por tudo isso afirmamos que a regeneração batismal é na verdade uma doutrina de demônios(I Timóteo 4:1). Quando nos lembramos da verdade fundamental de que o homem está impossibilitado de se salvar, e que a salvação é obra de Deus, então podemos entender o que significa ser justificado pela graça( Tito 3:7 ), com base no sangue de Cristo (Romanos 5:9) e por meio da fé (Efésios 2:8-9).Conseqüentemente estamos justificados pela ação de Deus, e não por qualquer ação nossa. Nunca é dito na Bíblia que somos justificados por meio do batismo em águas. Levando em conta o fato de que as passagens bíblicas afirmam a salvação pela graça, devemos então reconhecer a própria inabilidade humana e a grande habilidade de Deus em nos salvar.

Paganismo do Catolicismo
Aqueles que acreditam no batismo salvífico não se dão conta de que estão propagando uma doutrina pagã e não cristã. Com a união da igreja com o Estado no IV século, pessoas de origem pagã e não regeneradas foram se unindo ao cristianismo trazendo costumes e práticas pagãs, e mistificando-as com as doutrinas bíblicas. Dai temos a origem do Catolicismo Romano, e de uma serie de heresias, tais como: culto a Maria, o purgatório, o exclusivismo religioso, a autoridade suprema do papa, a água benta, a missa, a ceia do Senhor(eucaristia) e o batismo nas águas transformadas em sacramentos, etc. Pregavam os católicos influenciados pelos pagãos que a ceia(eucaristia) e o batismo não eram símbolos, mas objetos que concediam graça ao pecador(sacramentos), usurpando assim a exclusividade da graça do Senhor Jesus. A ceia era vista como a participação no comer literal da carne do Senhor, tendo como explicação a idéia da transubstanciação com o apoio frágil de uma pequena parcela de versículos bíblicos distorcidos; enquanto que o batismo era tomado como uma água miraculosa que tinha o poder de purificar e lavar os pecados do pecador. O batismo e a ceia que até então eram símbolos de realidades experimentadas pelos cristãos, foram mistificados com o paganismo e tomados como objetos portadores de graça!


Refutando as distorções
Agora, o que fazer das passagens bíblicas usadas pelas seitas para apoiarem a regeneração batismal? Primeiro temos de mostrar que é comum alguns confundirem a importância do batismo com a idéia da necessidade do batismo. Precisamos entender que o batismo é uma ordenança preciosa do Senhor, e como tal deve ser obedecida. O batismo é símbolo, assim como a ceia do Senhor, de realidades espirituais.Da mesma maneira que a lei sofreu abusos por parte dos fariseus em Jerusalém, e dos judaizantes na Galácia, assim o batismo sofre abusos por parte de várias seitas modernas que ensinam a regeneração batismal. Então da mesma forma que Paulo afirmou com freqüência que tinha respeito e amor pela lei de Deus, mostrando sua verdadeira natureza e pretensão, assim nós também afirmamos nosso respeito para com o batismo cristão enquanto mostramos o seu lugar genuíno na vida cristã, que não é o de salvar, mas de representar a salvação que já se efetuou pela fé em Cristo. Em segundo lugar, podemos afirmar que a palavra "batismo" nem sempre se refere ao batismo em águas como querem as seitas, sempre dependerá do contexto para saber qual o batismo referido.Temos pelo menos a menção de quatro tipos de batismo:1.Batismo com Espírito Santo(Mateus 3:11), 2.Batismo nas águas (Mateus 28:19),3. Batismo de sofrimento (Marcos 10:38-39), 4. Batismo de João (Mateus 21:25), e o 5.Batismo no Corpo ou em Cristo(I Coríntios 12:13; Efésios 4:5; Gálatas 3:27). É por isso que em Hebreus temos a chamada "doutrina dos batismos"(Hebreus 6:2). Quando recebemos a Jesus somos batizados em Cristo, que é o primeiro batismo, e no qual somos salvos e unidos ao Corpo. Após esse fato estamos prontos para testemunhar publicamente que morremos e ressuscitamos em Cristo, então temos um ato exterior, o batismo nas águas. O batismo com Espírito Santo é um derramar de poder sobre o crente, que pode acontecer antes ou depois do batismo nas águas. Já o batismo de sofrimento está ligado ao processo da vida cristã, ou seja, todos os que servem a Jesus passarão por sofrimentos. Algumas passagens que alguns sugerem que sejam sobre o batismo nas águas, na verdade, se referem ao batismo em Cristo. No entanto, podemos dizer que quatro passagens são usadas, distorcidas e tiradas fora do contexto para "provar" a regeneração batismal: Marcos 16:16; Atos 2:38, 22:16 e I Pedro 3:21. Vale lembrar que essa é uma das especialidades do diabo, que no deserto citou passagens bíblicas tiradas fora do contexto como pretexto para tentar enganar a Jesus(Mateus 4: 6-7). Que possamos tomar cuidado com os enganadores.

Marcos 16:16
É a falta de fé que traz a condenação e não a falta de ser batizado. Nesta passagem ensina-se que a fé é essencial em relação a "ser" ou "não ser" condenado diante de Deus (João 3:18), enquanto que o batismo é um testemunho público aos homens, em relação a salvação que já se efetuou por meio da fé em Cristo. Podemos dizer que a salvação é algo para com Deus e para com os homens, ser salvo diante dos homens é uma questão de demonstrar por atos a mudança que se efetuou interiormente (ler a passagem toda, principalmente os versos 17-18, onde a ênfase está nos sinais exteriores, Hebreus 2:4), e diante de Deus é uma questão apenas de crer. O batismo é para os salvos, e só a ausência de fé em Cristo é que condena. "Quem crer e for batizado será salvo, quem não crê será condenado." (Mc 16.16)Não há nenhum versículo dizendo que quem não for batizado será condenado. Com toda certeza seremos salvos por crermos no Evangelho (Rm 1.16, etc.), não pelo batismo. O batismo não é nem mesmo mencionado como parte do Evangelho quando este foi definido em 1 Coríntios 15.1-4. A Salvação é um ato da Graça de Deus, e não um mérito humano, (Ef. 2:8-10;Tt 2:11;3-5). A Bíblia diz que o justo viverá pela fé (Rm. 1:17,Hb 2:4). O Apóstolo Paulo ocupa todo o capítulo quatro de Romanos justificando e provando, que a Salvação é pela fé, e não pelas obras. Somos justificados mediante a fé em Cristo Jesus (Rm 5:1).


Atos 2:38
Esse versículo não ensina que os pecados são perdoados pelo batismo, mesmo porque o sangue de Jesus é o único meio de obtermos o perdão dos nossos pecados (Efésios 1:7; Colossenses 1:14; Apocalipse 1:5; I João 1:7; Mateus 26:28;etc.). O que nos ensina é que precisamos do arrependimento para que nossos pecados sejam tratados. Afinal qual a única maneira de uma pessoa procurar um médico, senão pelo reconhecimento de que está doente, e portanto precisa da cura? Somente quando nos arrependemos de nossa velha vida e procuramos o Médico dos médicos é que podemos obter o perdão para nossos pecados, cuja única base é Seu sangue derramado em nosso favor, e nunca o batismo nas águas. Observe o texto com cuidado e veja que "arrependei-vos" está no plural, "cada um de vós seja batizado" está no singular, e "perdão para vossos pecados" está no plural. O mandamento de ser batizado como vimos está no singular, na terceira pessoa: os "pecados perdoados" pertencem a "vós" no número plural da segunda pessoa. É impróprio então referir-se "o perdão dos pecados" ao "batismo" como sua causa, pois isto significaria que cada um foi batizado para perdão dos pecados de todos os presentes. Receber o perdão dos pecados como causa do batismo levaria o texto a dizer: "Cada um seja batizado para remissão dos vossos pecados". Atos 2:38 portanto não significa que o povo fosse batizado no propósito de ser salvo, mas porque era salvo por haver crido e se arrependido. Tanto é que em Atos 2:41 o texto deixa claro que foram batizados "os que de bom grado receberam a sua palavra", ou seja, primeiro fé, depois batismo(João 1:12, 3:16-18). E em Atos 2:44 temos que "os que criam estavam juntos" fortalecendo esse conceito bíblico.


Atos 22:16
O lavar dos pecados está ligado ao invocar o nome do Senhor e não ao "ser batizado". Vale a pena lembrar que a expressão "o nome do Senhor" é o mesmo que "a Pessoa do Senhor". Somente essa Pessoa Maravilhosa que é o Senhor Jesus, que deu Sua preciosa vida na cruz, derramando Seu sangue puro, pode nos purificar de todos os nossos pecados, e nunca um rito exterior. Tanto é que o próprio Paulo na epístola aos Coríntios tem o cuidado de separar o evangelho do batismo em água (I Coríntios 1:17-18). Ora se o evangelho de Deus salva o pecador(Romanos 1:16-17), e se o batismo é distinto do evangelho, então o batismo não salva.

I Pedro 3:21
Neste versículo é o batismo espiritual ou regeneração que está em vista, porquanto aquilo que nos serve de salvação não é a água que remove impurezas externas, mas a "boa consciência" que indica a impureza interna. O batismo que salva então não é aquele que se aplica "externamente", na carne, mas o que é aplicado pelo Espírito internamente, e este não se repete (Efésios 4:4-6).


Conclusão
A guisa de tudo o que vimos sobre a doutrina herege da regeneração batismal, precisamos considerá-la como um outro evangelho (II Coríntios 11:4).

x fechar