Make your own free website on Tripod.com

RESPONDENDO AOS ATAQUES DAS SEITAS CONTRA A TEOLOGIA CRISTÃ

Introdução: Todos sabemos que as seitas no geral misturam algumas verdades com muitas mentiras, e dessa forma aqueles que se envolvem com elas passam a serem presas fáceis. Jesus em João 8:32 e 17:17, nos ensinou que a verdade pode libertar aqueles que a conhecem, e que a Palavra de Deus é a verdade. Já em II Coríntios 4:4 vemos que uma das preocupações de Satanás, o diabo, é manter as pessoas na ignorância. Desde o início do cristianismo a ênfase ao ensino e a edificação dos cristãos era de vital importância (Atos 4:18, 5:42, 11:26, 15:35, 17:19, 18:11, 20:20, 28:31; Romanos 12:7; I Coríntios 4:17; Colossenses 1:28; I Timóteo 3:2, 4:11, 6:2; II Pedro 3:2). Paulo até mesmo chegou a afirmar que um conhecimento amplo evitaria que os discípulos fossem levados por todo vento de doutrina errada (Efésios 4:14). Temos visto, entretanto que as seitas têm desestimulado o estudo bíblico, até mesmo denegrindo a imagem das instituições teológicas, que procuram ensinar os cristãos. Porque isso acontece? A exemplo da Igreja Católica Apostólica Romana na Idade Média, essas seitas têm o objetivo de tornar seus adeptos submissos aos seus ensinos e práticas antibíblicas, e isso só pode ser possível se o conhecimento bíblico genuíno não for adquirido. Nos povos em que a ignorância predomina, as superstições e heresias tem grande aceitação, e isso é muito vantajoso para o inimigo, que quer conduzir toda a humanidade para o inferno. Com o objetivo de esclarecer, e alertar os cristãos sobre os enganos malignos, nos propomos a escrever esse artigo em defesa da teologia cristã, respondendo os argumentos equivocados das seitas.

ARGUMENTO 1 - Não devemos estudar teologia porque a "letra mata".

Resposta: Basta ler o texto de 2 Coríntios 3:1-11 para chegar a conclusão de que a letra que mata não é o estudo teológico ou bíblico(Salmo 119:50,93, 107 e 154; Provérbios 10:14; João 6:63). De acordo com o texto a "letra que mata" é aquela gravada em pedras (verso 7), ou seja a lei de Moisés, o Velho Concerto. A "letra mata" porque por meio dela ninguém será justificado, ao contrário aqueles que querem se justificar por meio das obras da lei estão condenados, assim os homens são reconhecidos como pecadores e colocados sob o juízo da morte, a justificação só se recebe por meio da fé em Jesus Cristo, que por meio de Seu Espírito habita em nós dando-nos vida(II Coríntios 3:9, Gálatas 3:21 e 22).

ARGUMENTO 2 - É Deus quem dá o entendimento

Resposta: Concordamos que Deus dá o entendimento, mas esse entendimento vem à medida que lemos e estudamos a Palavra de Deus. O instrumento do Espírito é a Palavra de Deus (Efésios 6:17) Em Provérbios 4:5 lemos: "adquire a sabedoria, adquire o entendimento e não te esqueças das palavras da minha boca, nem delas te apartes." E em Deuteronômio 4:6 lemos: "Guardai-os, pois, e cumpri-os, porque isto será a vossa sabedoria e o vosso entendimento perante os olhos dos povos que, ouvindo todos estes estatutos, dirão: Certamente, este grande povo é gente sábia e inteligente." Em Daniel 9:1 ainda lemos: "no primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi, pelos livros, que o número de anos de que falara o Senhor ao profeta Jeremias, que haviam de durar as assolações de Jerusalém, era de setenta anos." (Veja ainda Salmo 19:7-8, 119:130; Marcos 12:24-27).

ARGUMENTO 3 - O teólogo é muito chato e crítico

Resposta: Todo conhecimento cristão tem por finalidade equipar os santos, e capacitá-los a transmiti-los a outros (Efésios 4:11-12; II Timóteo 2:2). Algumas pessoas reclamam do senso crítico que os teólogos possuem por temerem serem questionadas quando ensinam doutrinas falsas, ou porque querem sempre falar e ter razão, assumindo assim uma posição de manipulação e controle sobre os demais. O fato de ensinarmos não nos isenta de falhas (Tiago 3:1-2), e tudo o que dissermos deve ser julgado pelo crivo das Escrituras (Atos 17:11; I Coríntios 14:29;Isaías 8:20; I João 4:1) Então existem críticas construtivas e essas devem ser bem recebidas. Convém, porém atentar que qualquer um pode se tornar chato, isso quando se deixa de lado o amor, que é o caminho para tudo o que fizermos na vida da Igreja (Efésios 4:15). Existem muitas pessoas que atacam a teologia, e são chatas, acham que aquilo que falam não pode ser julgado porque provem do "Espírito", que são "super-espirituais", etc. À medida que conhecemos a Bíblia nos tornamos mais humildes, porque ela revela a natureza corrupta do homem e a grandeza do nosso Deus(Romanos 3:23, 6:23).

ARGUMENTO 4 - Teologia é coisa do homem.

Resposta: A Teologia cristã não é contra os propósitos de Deus. A fonte de informações e estudo do teólogo cristão é a sabedoria de Deus, registrada nas páginas da Bíblia. Teologia se ocupa em estudar sobre Deus e Sua vontade.Não podemos descartar o papel do homem na economia de Deus. A revelação de Deus é feita de forma que o homem possa compreender, senão, não seria revelação. Deus inspirou e utilizou homens para escrever a Bíblia. Temos nela um livro divino-humano. Deus quer a cooperação de homens e mulheres para a execução de Seu plano, como cooperadores (I Coríntios 3:5,9). O próprio Deus se encarnou, tornou-se um homem. No Novo céu e na Nova terra, Deus estará por toda eternidade face a face com os homens.

ARGUMENTO 5 - Teologia leva a loucura.

Resposta: Esse argumento é de origem mundana e incrédula, foi usado por Festo ao criticar o teólogo Paulo (Atos 26:24). O mesmo argumento foi utilizado pelos líderes católicos na idade Média para promoverem nas pessoas um medo e aversão ao estudo da Bíblia, para que assim facilmente fossem enganadas. Jesus ensinou que "conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará"(João 8:32). Em Oséias lemos que a causa do povo estar sendo destruído era a falta de conhecimento (Oséias 4:6), além de que, para Deus o ritual sem conhecimento não tem valor (Oséias 6:6).

ARGUMENTO 6 - A Teologia trás incredulidade

Resposta: A incredulidade se estabelece mais facilmente no coração daquele que se mantém na ignorância (II Coríntios 4:4). A Teologia cristã tem como fonte a Bíblia, que é a Palavra de Deus. Somente na luz da Palavra, temos e vemos o que precisamos (Salmo 36:9,119:105). Convém lembrar, que as pessoas geralmente confundem a teologia cristã com a "teologia liberal", esta ultima procura negar a inspiração da Bíblia, rejeitar todo o sobrenatural da mesma, bem como colocar em dúvida os fatos históricos bíblicos. Veja abaixo um quadro comparativo entre a teologia liberal e a ortodoxa:

 

TEMA

 TEOLOGIA LIBERAL TEOLOGIA ORTODOXA
 DEUS Ele habita no mundo e não está acima ou separado dele. Assim, não existe distinção entre o natural e o sobrenatural. Deus é imanente, mas também transcendente. Existe distinção entre o natural e o sobrenatural.
 TRINDADE A teologia liberal geralmente é unitária e não trinitária, reconhecendo somente a Divindade do Pai. Jesus estava repleto de Deus, mas não era Deus encarnado. O Espírito não é uma pessoa da Divindade, mas simplesmente a atividade de Deus no mundo. Teologia trinitária, reconhecendo assim que Deus é Pai, Filho e Espírito Santo. Jesus era o próprio Deus encarnado. O Espírito é uma pessoa da Divindade.
 CRISTO Cristo deu à humanidade um exemplo moral. Ele também expressou Deus para nós. Cristo não morreu para pagar a penalidade dos nossos pecados ou para imputar a sua justiça aos seres humanos. Ele não era Deus nem Salvador, mas simplesmente o representante de Deus. Cristo além de ser um exemplo, e de expressar Deus, cumpriu a obra de redenção, morrendo para pagar a penalidade dos nossos pecados, e imputar sua justiça aos seres humanos que exercem fé Nele. Ele era Deus, Salvador e representante de Deus como um homem.
ESPÍRITO SANTO O Espírito é a atividade de Deus no mundo, e não uma terceira pessoa da Divindade igual em essência ao Pai e ao Filho. O Espírito é a terceira pessoa da Trindade, sendo um com o Pai e o Filho.
REVELAÇÃO A Bíblia é um registro humano falível de experiências e pensamentos religiosos. A validade histórica do registro bíblico é posta em dúvida. As avaliações científicas provam que os elementos miraculosos da Bíblia são apenas expressões religiosas. A Bíblia é um registro divino-humano infalível. O registro histórico da Bíblia é exato. Os elementos miraculosos da Bíblia são reais.
SALVAÇÃO O ser humano não é pecador por natureza, mas possui um sentimento religioso universal. O alvo da salvação não é a conversão pessoal, mas o aperfeiçoamento da sociedade. Cristo deu o exemplo supremo daquilo que a humanidade se esforça por alcançar e irá tornar-se um dia. De maneira característica.A teologia liberal tem negado uniformemente a queda, o pecado original e a natureza substitutiva da expiação. São geralmente universalistas. O ser humano é pecador por natureza. O alvo da salvação é a conversão pessoal. Somente por meio de Cristo, sendo recebido pela fé, e não apenas pelo exemplo, que o homem pode ser transformado, e a sociedade enobrecida.Nem todos os humanos serão salvos.
FUTURO Cristo não irá voltar em pessoa. O reino virá à terra como conseqüência do progresso moral universal. A volta de Cristo será pessoal. O reino que já está presente na vida daqueles que são filhos de Deus Será manifestado plenamente no Milênio.




ARGUMENTO 7 - Nós precisamos do Espírito e não da Teologia

Resposta: O Espírito Santo de Deus não se opõe a teologia, porque esta se presta ao estudo de Sua Santa Palavra. O Espírito é um com Sua Palavra, podemos até mesmo dizer que Ele está corporificado na Palavra (Efésios 6:17; João 6:63; Isaías 34:16; Salmo 33:6).
Em Romanos 9:17 temos que a Escritura falou a Faraó, enquanto que em Êxodo 9:13-16, vemos que Deus falou a Faraó. Perceba isso como a ilustração de um rádio e as ondas radiofônicas. Quando as ondas radiofônicas estão no ar, nós não as ouvimos, nem as tocamos, nem as entendemos. Assim que são captadas pelo aparelho receptor, as ondas de rádio tornam-se manifestas diante de nós. Podemos então, sentir, ouvir e entender. Assim, podemos dizer que o rádio receptor é a corporificação das ondas do rádio. Do mesmo modo podemos dizer que a Bíblia é a corporificação do Espírito. A Teologia é tão significativa, que através do estudo da Bíblia na carta aos Romanos, Martinho Lutero, deu impulso a Reforma Protestante; os grandes avivamentos foram empreendidos por teólogos e eruditos cristãos, tais como: John Wesley, Charles Finney, Jonathan Edwards, e outros; além disso, o berço do movimento pentecostal foi um seminário teológico chamado de Escola Bíblica Betel, fundado pelo pastor Metodista Charles Parham.
Façamos um teste com o adepto de seita que rejeita o estudo da Bíblia e ao mesmo tempo alega possuir o Espírito. Pergunte - Com quantos anos morreu Jarede? Quem era Tubalcaim? E quais são os nomes dos filhos de Nearias?
Já que ele alega possuir o dom sem precisar estudar, então ele terá que responder 100% correto.
Com toda certeza ele não vai conseguir, e sabe porque?
Porque devemos ensinar apenas aquilo que conhecemos, falar segundo a palavra de Deus (I Pedro 4:11).

ARGUMENTO 8 - Os pastores não precisam estudar porque é dom de Deus.

Resposta: Paulo possuía uma variedade de dons, entretanto, dedicava-se com afinco ao estudo da Palavra (II Timóteo 4:13, 3:14-17). Quando instruiu ao pastor Timóteo, estimulou-o a leitura a ao preparo (I Tímoteo 4:13,15; II Timóteo 2:15, 3:10). Um ministro era qualificado pela sua aptidão para ensinar, e isso envolvia uma boa gama de conhecimento e saber (I Timóteo 3:2; II Coríntios 6:4-6). Temo que o apóstolo Paulo,se estivesse vivo em nossos dias, seria rejeitado em muitos púlpitos, devido ao seu grande e vasto conhecimento teológico ( II Coríntios 11:6)!

ARGUMENTO 9 - Temos de ter a sabedoria de Deus, e não teologia.

Resposta: Paulo afirmou que as palavras faladas por ele, e que estão registradas na Bíblia, não eram palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas pelo Espírito, eram revelações do Espírito e sabedoria de Deus (I Coríntios 2:7,13,10). Pedro colaborou com esse ponto de vista, chegando a afirmar que as palavras de Paulo registradas eram Escrituras (II Pedro 3:15-16). Os incrédulos entendiam o que Paulo pregava e posteriormente registrara, mas rejeitam-nas como loucura, por serem contrárias as suas ações e padrões mundanos(I Coríntios 2:14). Para o judeu e para o grego, o fato de Paulo apresentar um Deus que fora crucificado era escândalo e loucura ( I Coríntios 1:23). Ainda hoje existem inúmeras pessoas que rejeitam o testemunho da Bíblia por causa dessa e de muitas outras verdades. A sabedoria de Deus está registrada nas páginas da Bíblia, que por sua vez é a fonte da teologia cristã.

ARGUMENTO 10 - Não se estuda Deus.

Resposta: Deus é um Ser misterioso (Isaías 45:15), e através de Seu ato revelatório, usando homens inspirados para produzirem as Escrituras, e por meio da Sua encarnação, deu-se a conhecer (Hebreus 1:1; João 1:18; II Timóteo 3:16-17). Quando afirmamos que estudamos Deus, não queremos dizer que o analisamos em tubos de ensaio num laboratório, mesmo porque Deus é Espírito (João 4:24). Precisamos perceber, entretanto, que se entendermos a Bíblia, veremos o próprio Deus, Seu desejo, Seu plano e a origem, a história e o fim do universo. Quando lemos a Bíblia tocamos e provamos o próprio Deus por meio da palavra soprada[inspirada] por Ele. Além de na Bíblia sermos iluminados, ensinados e instruídos, temos nela o sopro de Deus, a corporificação do Espírito, e o comer do Filho (João 6:53-57,63). Então afirmamos que estudamos a Deus na Sua Palavra, e quanto mais ganhamos de Deus, mais Ele ganha de nós. Ele revela muito sobre si mesmo na Bíblia - tanto pelo que disse como pelo que fez. Ademais, esse livro ímpar realmente nos convida a cultivar uma relação com o Criador. Ele nos exorta: "Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós ." Tiago 4:8

ARGUMENTO 11 - Não precisamos de estudo, precisamos da Palavra.

Resposta: A palavra "estudar" significa tanto na Bíblia como nos dicionários: analisar, examinar, meditar, observar, olhar com atenção, ler atentamente, ou procurar conhecer. De Gênesis a Apocalipse somos exortados a considerar a Palavra de Deus dessa forma (I Tessalonicenses 5:21; I Timóteo 4:13, 15; II Timóteo 2:15, 4:13; Mateus 13:52; Atos 6:2,4; Provérbios 9:9, 4:20-22;Salmo 1:2, 119:97-99; Apocalipse 1:3; Isaías 34:16; Efésios 3:4; Salmo 1:2,119:11; Lucas 1:4;etc).


ARGUMENTO 12 - A fé não se explica

Resposta: A fé de acordo com esse ponto de vista é irracional, não faz uso de fatos, entretanto isso é contrário a definição bíblica de fé, e ao meio de adquiri-la. Veja abaixo:
"Ora a fé é a certeza de cousas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem." Hebreus 11:1
"E assim, a fé vem pela pregação, e a pregação pela palavra de Cristo." Romanos 10:17
Uma das tarefas mais importantes da Igreja foi ensinar as pessoas para edificá-las na fé (Atos 5:21, 15:35, 18:11, 25, 28:31, Romanos 12:7; I Coríntios 4:17; Colossenses 1:28;etc.)

ARGUMENTO 13 - Se perde a unção.

Resposta: Deus unge alguém para desempenhar determinada função ministerial ou para separar para determinado uso (Êxodo 28:41; Levítico 8:10-11; Juízes 9:15; I Samuel 15:17; Isaías 61:1; Lucas 4:18;etc). A unção é feita com óleo, símbolo do Espírito Santo (Ezequiel 16:9; Salmo 23:5; Hebreus 1:9; Atos 10:38). Todo cristão é ungido e selado por Deus (II Coríntios 1:21-22). A unção está ligada ao Espírito, que por sua vez é um com a Palavra (João 6:63; Efésios 6:17; Isaías 34:16; etc), por isso a palavra é o poder de Deus (I Coríntios 1:18). Com o estudo, mais da Palavra é adquirido e conseqüentemente, mais do Espírito é ganho, ou seja, mais unção temos. O genuíno movimento pentecostal nasceu de um seminário teológico, onde o Espírito atuou por meio do estudo da Palavra. A reforma Protestante aconteceu devido ao estudo da Palavra. Os grandes avivamentos da história da Igreja estavam intimamente ligados ao estudo e a ministração da Palavra de Deus.

ARGUMENTO 14 - A teologia é do diabo.

Resposta: Depende da teologia. De maneira geral todos são teólogos, porque todos tem uma palavra ou conceito sobre Deus, até mesmo os ateus (Deus não existe). Existem teologias diabólicas, por exemplo: das seitas heréticas. Muitos confundem a teologia liberal com a teologia ortodoxa. A liberal influenciada pelo evolucionismo, marxismo, e psicologia, nega o sobrenatural da Bíblia; enquanto que a teologia ortodoxa tem na Bíblia sua fonte de informações e conteúdo. Agora, só porque existe a moeda falsa, nós vamos negar a verdadeira?! A ignorância só interessa a Satanás, o diabo (II Coríntios 4:3-4).

ARGUMENTO 15 - Teologia é muito cansativa.

Resposta: A vida cristã como um todo não é "sombra e água fresca". Somos inclusive convocados para sermos sacrifícios vivos a Deus (Romanos 12:1). Paulo, quando estava preso não exitou em dedicar-se ao estudo das Escrituras e outras literaturas (II Timóteo 4:13). A Bíblia reprova o preguiçoso (Provérbios 6:6).

ARGUMENTO 16 - Teologia não tem utilidade.

Resposta: Todo nosso trabalho não é vão no Senhor (I Coríntios 15:58). Aprender a Palavra de Deus nunca é demais (II Pedro 3:18). O crente deve estar bem preparado (II Timóteo 2:15; I Pedro 3:15).

ARGUMENTO 17 - Os discípulos de Jesus não precisavam de teologia.

Resposta: Teologia se ocupa com o estudo sobre Deus e Sua vontade, como já vimos. Tendo como base essa verdade, qual o apóstolo que não precisou estudar e ser ensinado? Alias, eles tiveram o maior professor de teologia do mundo - o Senhor Jesus!(Lucas 6:40) Perceba que antes de enviar os apóstolos para dar continuidade ao Seu ministério, Jesus os treinou. Uma das recomendações de um ministro de Deus é o saber (II Coríntios 6:6; 11:6; Jeremias 3:15). Deus reprova aqueles que desprezam o conhecimento (Oséias 4:1,6, 6:3,6).


ARGUMENTO 18 - O muito estudar é enfado da carne

Resposta: A citação em apreço é retirada de Eclesiastes 12:12, e deturpada para dar vazão a negação do estudo bíblico. Entretanto, ao lermos todo o livro de Eclesiastes podemos observar que o estudo a que se refere é de coisas relacionadas ao que está "debaixo do sol ou céu", ou seja, terrenas, e nunca as celestiais, como acontece em um estudo bíblico (Veja isso claramente em Eclesiastes 1:3, 12-18, 2:18-22, 3:1, 16, 4:16). Para Salomão as coisas terrenas eram vaidades , ou seja, passageiras, por isso não deviam ser o centro da vida do povo de Deus. Além disso, a menção de 12:12 diz que o muito estudar é "enfado da carne"
Preste atenção: diz que o enfado é de quem? Da carne ou do espírito? Então pergunto - O cristão vive de acordo com quem? Veja a resposta em Romanos 8:5-9. Paulo subjugava e esmurrava seu corpo(carne) para não ser reprovado, assim devemos fazer o mesmo (I Coríntios 9:27).

ARGUMENTO 19 - Os apóstolos eram homens sem letras e indoutos

Resposta: Em Atos 4:13 temos a crítica dirigida pelos saduceus(seita religiosa judaica,Atos 23:8 compare com 4:1-2,6) aos apóstolos - João e Pedro. Será que a expressões "sem letras e indoutos" significavam "analfabetos e despreparados"? Não! Se adotássemos esse tipo de "interpretação" estaríamos indo contra o restante da Bíblia, e contra a própria cultura judaica na qual Pedro e João estavam inseridos. É preciso entender de uma vez por todas que a cultura judaica não é a mesma que a brasileira. Na área da educação os israelitas proporcionavam educação esmerada para os filhos, o que incluía instrução religiosa bem como treinamento em habilidades práticas de que necessitariam no mundo das atividades diárias. Eles criaram salas de aula e haviam professores qualificados para instruir todas as crianças da aldeia. A educação religiosa dos filhos era da responsabilidade dos pais (Deuteronômio 11:19; 32:46). A principal preocupação dos pais era que os filhos viessem a conhecer o Deus vivo. Em hebraico, o verbo "conhecer" significa estar intimamente envolvido com uma pessoa. Isso quer dizer que esse conhecimento era profundo, envolvendo o intelecto, a vontade e as emoções. No caso dos apóstolos, eles teriam por certo, todo o preparo básico de uma criança normal, e ainda os maravilhosos anos passados aos pés do Grande Mestre. Não eram, portanto ignorantes, no sentido em que entendemos hoje, a palavra. Os opositores saduceus estavam se referindo aqui, à ignorância dos apóstolos, quanto aos ensinamentos deles, que consideravam indispensáveis, assim como muitos hoje menosprezam a cultura teológica como se de nada valesse em vista das outras áreas do conhecimento humano. Um outro exemplo que podemos citar é a rejeição da pregação de um crente diante de uma seita religiosa, enquanto o crente fala da sabedoria divina, escrita na Bíblia, os líderes das seitas ficam indignados pelo fato de eles serem ousados e não terem a autorização da seita, e não pertencerem a mesma. O apóstolo Paulo, Pedro e João davam muita importância para a questão da instrução e do preparo (II Timóteo 2:2,15; I Timóteo 4:13-15; Romanos 12:7; Hebreus 5:14; I Pedro 3:15; II Pedro 1:5-10; I João 4:1), portanto não eram homens despreparados. Ademais, além de Pedro e João terem sido instruídos e preparados durante cerca de três anos e meio pelo maior Mestre de todos os tempos- Jesus; eles sabiam ler e escrever, sendo ambos escritores de cartas que levam seus nomes na Bíblia (I Pedro 1:1; II Pedro 1:1, 3:1;I João 1:4; II João 5; III João 13; Apocalipse 2:1) portanto não eram analfabetos.

ARGUMENTO 20 - "Não cuideis como haveis de falar" em Mateus 10:19
Resposta: Quando analisamos a passagem dentro do seu contexto, verificamos que não há nenhuma alusão ao fato de que o crente deve relaxar o estudo e o amor pelo conhecimento sob a garantia de que o Espírito Santo colocará na sua boca as palavras necessárias no momento da pregação. Esta passagem se refere à maneira como o crente deve se comportar no momento da provação, no caso de vir a ser conduzido aos tribunais e à presença de governadores e reis por causa do nome de Cristo.(II Pedro 3:18; Jeremias 48:10; Provérbios 6:6).
ARGUMENTO 21: Não precisamos de palavras resultado de sabedoria do mundo, mas de Espírito e poder.
Resposta: Será que Paulo em I Coríntios 2:4 estava desestimulando o estudo teológico, e o envolvimento do crente com um estudo profundo da Santa Palavra de Deus? É claro que não! Ao lermos a passagem toda, podemos ver que a "sabedoria do mundo" a que Paulo se refere não é o estudo ou treinamento bíblico, mas as idéias e ensinos humanos contrários à pura revelação da Palavra de Deus (I Coríntios 1:18-25). Por exemplo: enquanto a sabedoria do mundo dita que o dinheiro deve ser o objetivo primário da vida, a sabedoria divina registrada na Bíblia deixa claro que a prioridade é para o reino de Deus (Mateus 6:33), e o amor ao dinheiro é a raiz de muitos males (I Timóteo 6:9,10). Paulo usa as expressões "palavra" (Cor 1:18), "sabedoria de Deus" (v.21), "revelação do Espírito" (2:10) e "poder de Deus" (1:18; 2:4-5) como sinônimas, dando a entender um evidente contraste com a "sabedoria do mundo". Tudo o que Deus nos revelou, temos preservado em Sua Palavra - a Bíblia. A Palavra de Deus registrada na Bíblia é resultado da ação do Espírito e seu poder, por isso quando nos apoiamos nos ensinos bíblicos não nos apoiamos em sabedoria humana, mas na revelação do Espírito, o próprio Deus! A nossa pregação bem com nosso estudo está embasado na revelação, sabedoria ou palavra de Deus, não em nenhuma lenda, especulação, mito ou sabedoria humana.(Veja: Jeremias 23:9; Romanos 1:16; Salmo 119:130;Provérbios 3:21-22; 10:31; 31:26).
ARGUMENTO 22 - "Não precisamos que ninguém nos ensine" como em I João 2:27 está escrito
Resposta: Veja que interpretar I João 2:27 reprovando o valor do ensino e do conhecimento cognitivo (advindo do estudo) é tomar o partido das seitas gnósticas, as quais João combateu nessa mesma carta! Os gnosticos acreditavam que o conhecimento dado por Deus não advinha do estudo cognitivo, mas de uma suposta iluminação esotérica interior. Observe: "Se o ensino cognitivo fosse desnecessário porque os crentes possuíam a unção, então porque João precisou escrever essa carta doutrinária cheia de esclarecimentos e ensinos?" Porque então existem mestres na Igreja (Efésios 4:11-12)? Irmãos com dom de ensino(Romanos 12:7)? Ora os que os ouviam ensinar já não tinham unção?! Alias os gnósticos são descritos em outros textos como "animais irracionais" (2 Pedro 2:12), por causa dessa característica que citei anteriormente. João diz no verso anterior - "Estas coisas vos escrevi acerca dos que vos enganam."(V.26) Foi necessário que João e tantos outros apóstolos escrevessem, a despeito da unção que os crentes possuíam. Então o que é essa unção? A "unção" é um símbolo do Espírito Santo. Preste muita atenção na descrição de João: "a unção que vós recebestes", "que fica em vós". Essa unção então é o próprio Espírito Santo, porque ele é quem recebemos quando cremos em Jesus como nosso Salvador, e mais, ele "fica em nós"(Compare com João 16:16-17). Por isso que mais tarde João escreve dizendo:
"... E nisto conhecemos que Ele está em nós, pelo Espírito que nos tem dado", "... nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito."(I João 3:24; 4:13). João ainda diz que a unção é "verdadeira", o Espírito é o Espírito da Verdade (João 14:17). Qual é o instrumento que o Espírito ou a "unção" emprega para ensinar o crente? A Palavra de Deus, que é a "espada do Espírito" (Efésios 6:17) por meio da qual nossa fé é edificada (Romanos 10:17; Atos 20:32). O Espírito já habitava nos crentes aos quais João escreveu, e esse mesmo Espírito já os havia educado ("como ela vos ensinou" verso 27), então, era para eles rejeitarem os falsos profetas ("e não tendes necessidade de que alguém vos ensine") que ensinavam mentiras, tais como: "Cristo não se encarnou", "Jesus não era o Messias", "Jesus não era o Deus Eterno", "Jesus na era o único caminho para Deus", "a iluminação não vem pelo conhecimento cognitivo, mas pelo esotérico", etc. Na verdade João estava puxando a orelha daqueles crentes, dizendo em outras palavras o seguinte; "Olha vocês não devem dar ouvidos para esses enganadores, porque vocês já aprenderam do Espírito (que é a unção), que Jesus é o Messias, é Deus que se encarnou, permaneçam então Nele, e não nos ensinos dos gnósticos".(Veja verso 29).

x fechar